Remodal

Responsive, lightweight, fast, synchronized with CSS animations, fully customizable modal window plugin with declarative configuration and hash tracking.


2ª Via de Boleto
Antes de efetuar o pagamento do boleto, verifique se no campo código de barras, consta os seguintes números, conforme o exemplo abaixo:
Simule e solicite
Escolha a maneira que você quer simular o seu consórcio
Digite o valor do crédito pretendido:
de
R$
até
R$
Notícias
09
MAI
Capital de giro

Nos últimos anos, o crescimento do sistema de consórcios tem sido significativo em vários segmentos.

Com uma história de 55 anos, o objetivo do consorcio é propiciar aos participantes, sejam pessoas físicas ou jurídicas, a aquisição de bens e serviços.

 

Especificamente para empresas, capital de giro é dinheiro necessário para viabilizar seu funcionamento. Tratam-se de recursos que tornam o negócio viável com as vendas a prazo e a manutenção de estoques. Contudo, o uso de consorcio para esse fim é ilegal, segundo alerta da Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios. (ABAC).

 

O presidente executivo da ABAC, Paulo Roberto Rossi, esclarece que de acordo com a legislação em vigor, combinada com as normas do Banco Central, não é possível o uso do consórcio para essa finalidade, tornando-o ILEGAL quando o objetivo é capital de giro. Vale lembrar que o participante de um grupo, quando da contemplação, não pode usar o credito diretamente. Somente fornecedor ou prestador de serviços, indicado pelo consorciado, poderá usufruir do valores em razão da real venda de bens.

 

No sistema de consórcios, o consorciado só pode retirar o credito em dinheiro se atendidas as condições determinadas pelo Banco Central (BC) como a quitação de todo o saldo devedor e passado o prazo de 180 dias da contemplação.

Qualquer outra condição – como simples alienação fiduciária de um bem, para viabilizar pagamento do credito em dinheiro ao consorciado - é ilegal

 

Fonte:

** ABAC - Associação Brasileira de Administradoras de Consórcios